Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Histórico do Museu
A História de fazer Memória
O nascimento de um museu:

No dia oito de maio de 2006 foi inaugurado o Museu da Maré, num evento que contou com ampla cobertura da imprensa e a participação de autoridades ligadas à política cultural brasileira, dentre as quais o próprio Ministro da Cultura Gilberto Gil.

Por parte da comunidade local houve grande mobilização. Representantes de instituições, antigas lideranças e grupos culturais estiveram presentes e participaram com apresentações durante todo o evento.

A TV Maré e o desejo de memória.

O Museu está instalado em um galpão industrial destinado ao reparo de peças navais dado em comodato para a implantação da Casa de Cultura da Maré. Na verdade, o museu é o desdobramento de uma experiência que teve início em 1989, com o grupo chamado TV Maré, que tinha o objetivo de registrar imagens da comunidade e depoimentos dos moradores locais.

Com o desenvolvimento das atividades da TV Maré, foi sendo construído um acervo de imagens em movimento e a partir da ideia da realização de um vídeo sobre a história das comunidades locais, estes agentes tiveram contato com uma história que não conheciam e iniciaram um trabalho de pesquisa que ampliou ainda mais o acervo.  Perceberam também que a memória local estava acabando tanto pelas grandes intervenções governamentais na geografia local, bem como pelo desaparecimento dos moradores mais antigos.  Daí surgiu o desejo de memória.

O CEASM e a criação da Rede Memória da Maré

Em 1997, com a fundação do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré – CEASM, fundado em parte por moradores locais que tinham participado da experiência da TV Maré, o trabalho com a memória local foi institucionalizado através da criação da Rede Memória da Maré.

O trabalho da rede se desdobrou na criação de um arquivo institucional destinado à pesquisa, preservação e divulgação de documentação nos mais variados suportes sobre a história local.  Ainda se desenvolveu um programa de história oral, para coleta e registro do depoimento dos moradores e lideranças da região e a criação do grupo de contadores de histórias, com o objetivo de difundir as histórias e lendas surgidas das vivências dos moradores.

Outra iniciativa importante foi a criação de uma exposição com material fotográfico e fragmentos de depoimentos, que percorreria os lugares públicos das comunidades. Na época o CEASM, a partir de uma parceria com o Museu da Vida, estava desenvolvendo o Curso de Formação de Monitores de Museus e numa mesa da qual participaram a diretora do CEASM Cláudia Rose Ribeiro e o Profº Mário Chagas é que se deu o encontro que abriria a possibilidade de constituição de um Museu que agregasse todas essas iniciativas de memória e contasse por meio de textos, documentos e objetos a história das comunidades da Maré.

Experiências de exposições em 2004 e a constituição do Museu

A experiência de realização de uma exposição em 2004 no Museu da República, utilizando a linguagem museográfica e de uma instalação no Castelinho do Flamengo utilizando imagens do acervo da Rede Memória com uma liguagem artística e etnográfica, demonstraram ser possível a constituição do Museu.  Em 2005, com recursos oriundos do Programa Cultura Viva – Pontos de Cultura e o apoio técnico do Departamento de Museus do IPHAN, principalmente na pessoa do Profº Mário Chagas, foi iniciada a implantação do Museu da Maré.

Hoje, o Museu é uma história de sucesso e colabora para o crescimento da auto-estima da comunidade e o despertar para a riqueza e o valor de sua história.